sexta-feira, 12 de junho de 2009

Sono

Comecei essa semana e está dando certo....postando rapidinho porque estou com o Matheuzinho no colo...o Rafa tá dormindo..seguindo as instruçoes abaixo



Estabelecer um ritual é o primeiro passo para estimular o sono da criança
Tatiana Pronin

http://cienciaesaude.uol.com.br/ultnot/2009/06/02/ult4477u1703.jhtm


Colocar o filho na cama é um martírio para uma parcela grande de pais. A criança barganha até o último minuto para ficar na sala, reluta para ficar sozinha no escuro ou levanta no meio da noite, pedindo companhia. Nessas horas, por cansaço, a vontade que dá é dividir o cobertor com o pequeno, o que é um erro, segundo especialistas.
Deixar a criança dormir com ursinho ou boneca é um costume bem-vindo: o brinquedo passa a ser associado ao sono
e vira substituto para a presença dos pais

Ensinar a criança a dormir sozinha é uma arte e inclui uma mudança na dinâmica da família toda, como afirma o pediatra e especialista em medicina do sono Gustavo Moreira, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). E o termo, ele diz, é realmente "ensinar", " e não 'fazer' a criança dormir", esclarece.

A dificuldade tem origem nos primeiros meses de vida. Em primeiro lugar, não há luz na barriga da mamãe, portanto é natural que leve algum tempo até relacionar o sono ao período da noite. Além disso, o bebê é acostumado a dormir no colo da mãe, depois de mamar, e habituar a criança a dormir sozinha, mais tarde, vira um desafio.

A principal regra para que a criança durma sem sofrimento é estabelecer um ritual. Isso significa que, pelo menos uma hora antes de dormir, é preciso puxar o freio e diminuir o ritmo da casa. Então é preciso definir um roteiro, que será repetido toda noite, inclusive nos fins de semana: ir para o quarto, colocar o pijama, ir para o banheiro, escovar os dentes, dar um beijo nos pais e deitar, não necessariamente nessa ordem.

"A criança deve ser colocada no berço ou na cama acordada", ensina o médico. Contar uma história ou cantar uma música são práticas úteis para estimular o sono. Mas é preciso estabelecer limites, pois o filho sempre pede mais.

Deixar a criança dormir com um ursinho ou boneca é outro costume bem-vindo, segundo Moreira. "O brinquedo passa a ser associado ao sono e vira um substituto para a presença dos pais", comenta. O leitinho antes de dormir também pode ajudar, mas é fundamental que a criança escove os dentes depois, mesmo as menores.

O ambiente também conta para evitar problemas: "Não pode haver nenhum eletroeletrônico no quarto", diz o médico. Se houver a necessidade de manter alguma luz acesa, porque a criança tem medo do escuro, a lâmpada azul, de intensidade fraca, é a opção mais indicada, para não prejudicar a secreção da melatonina, o hormônio do sono.

Outro ponto importante é o horário. O especialista enfatiza que a criança tem que estar na cama antes das nove da noite. "Dormir além desse horário pode até aumentar o risco de obesidade", alerta.

Se a criança levantar no meio da noite e for até a cama dos pais, é preciso ser firme e levá-la de volta ao quarto. "Todo mundo acorda no meio da noite, vira para o lado e volta a dormir. Isso é o que a criança precisa aprender a fazer também", diz o médico. "Se os pais forem seguros, ela vai obedecer", garante.

Doenças do sono
Algumas doenças podem prejudicar o sono dos pequenos, por isso fique atento se seu filho ronca. Isso pode ser um indício de apneia do sono, síndrome caracterizada pela interrupção da respiração e afeta cerca de 2% das crianças. Ao contrário dos adultos com o problema, que apresentam sonolência diurna, os sintomas mais comuns nos pequenos são irritabilidade, falta de atenção e baixo rendimento na escola.

Em geral, a apneia infantil é tratada com uma cirurgia simples para retirada das amígdalas e das adenoides. Embora a ideia preocupe os pais, nesse caso é uma questão de custo-benefício: "A apneia pode resultar em alterações cardíacas e cerebrais", justifica o especialista.

Outro problema comum é a respiração bucal, síndrome que ocorre em cerca de um quarto das crianças e que pode prejudicar o desenvolvimento. Se o problema for constante, é recomendável procurar um especialista.

Já o sonambulismo, comum na infância, em geral não exige tratamento, a não ser que ocorra todas as noites. Mas lembre-se de proteger a criança de possíveis acidentes, com precauções como tirar objetos pontiagudos do quarto, colocar grade na janela e portão na escada.

quarta-feira, 10 de junho de 2009

1 ano e meio de Rafinha

RAFINHA COM 1 ANO E MEIO

http://www.desenvolvimentodobebe.com.br/primeiros-passos/18-meses/o-que-um-bebe-de-um-ano-e-meio-consegue-fazer/

O que um bebê de um ano e meio consegue fazer?
Um ano e meio é aquela fase em que costumamos dizer que a “pilha” deles não acaba nunca. Os bebês com essa idade são agitados e não param quietos nem um minuto.

Quanto mais habilidades eles ganham, maiores as travessuras. Seu desenvolvimento motor permite saltar sobre os dois pés, andar quase correndo, subir e descer escadas, ficar sentado sozinho em uma cadeira. Brincando, consegue puxar um carrinho pela corda, fazer uma torre com 3 ou 4 cubos, rabiscar uma folha de papel.

A sociabilidade da criança de 1 ano e meio é grande. Ela começa a buscar sua autonomia e insiste em realizar sozinha algumas tarefas como segurar o copo d’água, buscar um brinquedo na prateleira, tirar o sapato. Por outro lado, requer a participação da mãe em todas as suas atividades.

Já a convivência com outras crianças é complicada. Eles acreditam que outros bebês são como os seus brinquedos e insistem em puxar, empurrar, bater, agarrar, morder. Fazem isso não para maltratar, mas para se divertir.

Conseguem entender mais palavras do que falar. Emitem apenas umas 10 palavras, mas conseguem compreender mais do dobro disso.

Nessa fase, os bebês começam a atender aos pedidos dos pais. Se disserem para a criança abrir a boca bem grande para escovar os dentes, eles abrem. Se mandarem parar de bater no amiguinho, eles param. Com um ano e meio eles já estão maduros o suficiente para receber ordens básicas. Ter disciplina nessa etapa é fundamental para seu futuro, pois nessa idade é criada a base da educação da criança. Desde cedo eles precisam ter maturidade para respeitar e obedecer às ordens básicas.



O RAFA ESTÁ ASSIM MULTIPLICADO POR 3 huahuahuahua, é muito díficil manter uma linha par educar, quero evitar as palmadas e gritos, pois sei que nessa fase a criança aprende por repetiçao e observação...mas as vezes eu perco a paciencia com as manhas e birras, mas sei que é normal e uma hora vai passar

Vou deixar uma fotinho do Rafinha usando o pinico ( agora ele usa quado quer) e de pijaminha...a hora do sono eu falo no proximo post e comendo pipoca na casa do vovô